Obed Rodrigues de Souza

"Creio para compreender, compreendo para crer melhor." Agostinho de Hipona

Textos

A POESIA NOSSA DE CADA DIA
' Os céus proclamam a glória de Deus...
Um dia discursa a outro dia, e uma noite  revela conhecimento a outra noite. Não há linguagem, não há palavras, e deles não se ouve nenhum som;no entanto , por toda a terra se faz ouvir sua voz, as suas palavras até aos confins do mundo. "  ( Salmo 19: 1- 4 )

Quando a vida apresenta-se tão sombria,
Quando incertezas e crises pesam sobre nosso espírito,
Quando o sangue de inocentes infantes molham o chão
Onde as civilizações se sustentam.
Quando as lágrimas silenciosas de mães que perderam
Seus filhos para as guerras, a violência, o tráfico, a pedofilia...
Soam em nossos ouvidos como uma gota a cair no oceano da indiferença,
Ousamos acreditar que teu amor ainda fala.

Pela fé, podemos ler versos invisíveis estendidos sob a imensidão dos céus
A abrir nossos olhos espirituais a ler, em meio às trevas de dias incertos,
Poemas divinos encorajando-nos a seguir avante.
Nossos ouvidos atentos a histórias contadas por tua misericórdia,
Ouvirão tua voz dizer que o fim ainda não é chegado, não, ainda, não.
Pois amanhã, o sol voltará a erguer-se sobre o bom e o perverso,
Sobre justos e injustos
Espalhando luz e esperança em nossa morada rodeada de trevas.

Ainda que sob um céu de aço,
Fitaremos os céus com persistência
À procura de rimas e metáforas celestiais
A falar de tua misericórdia que dura para sempre,
Provando que a vida é maior que a morte,
No coração dos que ressurretos contam histórias de sobrevivência e de perdão.  

Porque nem correntes  de opressão, nem a mão armada do nosso  inimigo
Podem apagar o maravilhoso poema que chamamos vida.
Pois nele estamos impressos, nele foram escritos todos os nossos dias
A provar que somos carta escrita, vinda da eternidade,
Assinada e selada pelo grande Eu Sou.

Obed Rodrigues de Souza
Enviado por Obed Rodrigues de Souza em 26/05/2009
Alterado em 16/06/2020


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras