Obed Rodrigues de Souza

"Creio para compreender, compreendo para crer melhor." Agostinho de Hipona

Textos


Corona Virus - Uma Perspectiva Cristã

Moro em Pedra Azul, MG, no vale do Jequitinhonha. Somos gente simples, acostumados a dificuldades e carências. Embora, graças a Deus, eu mesma nunca tenha passado pelas dificuldades que ouvi minha mãe e minha avó narrarem. Não somos ricos, mas sempre tivemos o necessário. Minha mãe, uma professora que construiu uma escola na fazenda de meu pai, sempre se preocupou em dar-nos formação cultural e moral. Por que comecei meu texto dessa forma? Porque quero me situar no tempo e no espaço, para melhor compreender o que estamos passando agora. Há alguns anos tenho a sensação que, de alguma forma, iríamos passar por algo que restringiria nossa livre forma de consumir... ou melhor... Viver. 

Em 1976/75 eu tinha dez/onze anos e lembro-me que um dia, brincando no quintal da casa de uma amiga, simplesmente parei, fixei o olhar no horizonte distante que dava para uma estrada de terra, e pensei comigo mesma: "Será que estarei viva quando eu completar 55 anos? Será que o mundo terá acabado até lá?" Não sei porque, mas nunca me esqueci disto e a alguns dias para completar 55 anos (hoje são 14 de abril, meu aniversário é dia 24) vejo que o mundo não acabou, mas a forma como vivemos não será  a mesma depois da Covid 19. 


Nasci em 24 de abril de 1965, quando era pequena ouvia sobre a ditadura, mas não entendia muito o que era.  Fiz faculdade de Letras em Governador Valardares, trabalhando durante o dia e estudando a noite. Fé e razão para mim não sao distintas. Logo que comecei a estudar Letras, tive uma experiência com o Espírito Santo de Deus, senti o chamado e passei a estudar a bíblia e a frequentar uma Igreja Evangélica.  Minha matéria favorita era Literatura; tive a oportunidade de estudar com Antônia Izanira Lopes de Carvalho, excelente professora. 
Voltei para Pedra Azul em agosto de 1988, comecei a dar aulas na rede pública de ensino e atuar como professora particular de Inglês.

Fui aos Estados Unidos  em 1997 e à Inglaterra em 2000. Tive oportunidade de ir ao World Trade Center para comprar um ingresso para assistir "Miss Saigon". Quando me encontrava numa das salas daquele imenso prédio veio em meio coração a passagem bíblica; "Porquanto, assim como nos dias anteriores ao dilúvio, comiam e bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e não o perceberam, senão quando veio o dilúvio e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do homem." Mt. 24:38-39
Em 2000, quando estava em Londres, precisamente em "`Picadilly Circus" veio em meu coração o mesmo pensamento e o mesmo versículo. Naquela época via jovens agitados, comprando e comendo fast food, ouvind cd`s "Virgin". 

No dia 30 de dezembro de 2019, no culto de fim de ano, senti em meu coração muito forte que 2020 seria um ano em que algo muito importante aconteceria, comentei com meu marido e ele já sabendo que sinto Deus falar comigo muito intimamente, disse-me: "então vamos orar". Logo em seguida, as primeiras notícias do ano falavam de escalada de tensão entre Irã e Estados Unidos, todos temíamos  uma terceira guerra, já que Donald Trump não é muito comedido... Logo depois incêndios florestais  na Austrália e  no Brasil enchiam os noticiários, em seguida o Corona Virus imrrompe na China. 
Para ser sincera, desde que as tragédias ambientais começaram a eclodir aqui em Minas - 2015 em Mariana, depois em janeiro de 2019 em Brumadinho, onde mais de 250 pessoas morreram, sem contar dezenas de desaparecidos, comecei a perceber que o planeta entava em convulsão; como se a natureza estivesse cobrando os abusos contra ela perpetrados.
Além do mais, a crise dos refugiados refugiados em 2015, 2016, mostrava-me que a Europa já não seria mais a mesma, que uma revolução estava acontecendo a olhos vistos...  Ninguém conseguia conter a onda de imigrantes. Não seria o  mar devolvendo ao velho continente o resultado de séculos de política de desigualdade social? Não seria o mar devolvendo aos colonizadores os seus colonizados?
 
Lembro-me também da sensação de um mover diferente no Brasil durante o processo de impeachment de Dilma e a "lava Jato" que começou em 2014 e abalou a estrutura de poder no Brasil, como uma forma de aviso ao meu coração de que algo estava se movendo; de que entraríamos em uma nova etapa em nossa História. 

Há ainda, o que mais me incomodava, deixando-me triste: a situação da Igreja Evangélica no país e no mundo; a observar pelos videos na internet, onde víamos, em muitas denominações  que os cultos se tornaram espetáculo banal, exibição grotesca de falta de reverência e temor de Deus. A banalização da Graça Salvadora. O púlpito virou palco, os fiéis tornaram-se  consumidores de música gospel. Outros, tornaram-se clientes do banco chamado "Mamom". A mensagem de um evangelho triunfalista ofuscando a verdade da cruz de Cristo é o que prevalecia. 
Eu tinha a sensação que algo teria que acontecer, pois havíamos chegado a um ponto máximo de degradação e deteriorização de valores. Não gosto, nem quero falar de Igrejas, pois congrego em uma, cheia de defeitos, como todas as outras, afinal não existe Igreja perfeita.
Há aquelas cheia de religiosos que se gabam de sua pureza doutrinária e outras que não tem sequer uma doutrina.  Não há escapatória para nós seremos humanos; aliás, escapamos da morte pela maravilhosa graça de Deus. 
 
Não, absolutamente, não! Ninguém vai se arrepender por causa do Corona vírus. Não estou dizendo que o Corona Virus é uma praga que Deus mandou para consertar o mundo! Eu leio a Bíblia, e também leio um pouco de História! A humanidade sempre passou por estágios de transformação social e transformações geopolíticas. Vejo tudo isso, com os olhos da Graça Salvadora de Deus. Vejo esta situação na qual estamos todos envolvidos democraticamente pela permissão da potente mão do roteirista por excelência - nosso Deus! Aquele que se identificou a Moisés como um verbo: "Eu sou o que sou" Ex. 3:14.

Muitos estão a questionar a origem do virus... Isso deixaremos para os cientistas, sociólogos, historiadores descobrirem.  O futuro dirá. Como serva do Deus vivo, meu objetivo é saber como me comportar em meio a tanto medo provocado pela doença.  É encontrar a voz do Deus altíssimo em meio a tantas vozes e narrativas. Deus nos deu um roteiro que é a Sua Palavra.  "Eu creio para compreender e compreendo para crer melhor." Quero construir minha história e minha visão do mundo com o olhar do roteirista do amor e da Graça que é Deus.
 
Neste momento, as obras "1984" de Orwel  e "Admirável Mundo Novo" de Aldous Huxley ecoam em minha mente. Quais serão as consequências para a nossa sociedade que o confinamento e o controle em nome da saúde nos deixarão? Este mal necessário no momento poderá deixar alguma sequela após o tratamento? Temo que meus alunos, jovens e adolescentes deverão ser ensinados sobre o valor da liberdade. Receio que muitos que ficarão tantos dias confinados terão suas sensibilidades afetadas e patologias podem aflorar. Receio que viveremos em uma sociedade com liberdades cerceadas. Temos, agora, que refletir no valor da liberdade. É importante sermos solidários, disseminar poesia e beleza. Regar o confinamento com estética e sutilezas do espírito. Não queremos jovens com mania de perfeição a circular por aí... Á procura de algo para limpar. 
Em "1984", vemos o "grande irmão"  sacrificando as individualidades em favor do estado, em "Admirável Mundo Novo" laboratórios produzindo cidadãos desprovidos de vontade livre, todos felizes com sua própria servidão, através da droga química, o "soma". Huxley, profeta do consumismo em massa anteviu que a cultura de massas, aprisionaria muitos em uma cela muito brilhante a que chamariam de "entretenimento".

Com muita humildade, penso que tudo o que está acontencendo é um aviso à igreja fiel de que estamos indo para o início da última semana de anos. Posso estar errada, pois Deus é a verdade. Só Ele sabe a hora e o dia. Essa revelação dada a Daniel é referente a Israel, mas sabemos que Israel é o relógio de Deus na terra.  Deixamos claro aqui, que não é o fim do mundo. Muito ainda tem que acontecer até que o mundo como o conhecemos desapareça. Na história que Deus, como roteirista preparou, ainda há muitos capítulos inéditos por vir, creio que não verei muitos deles como cidadã brasileira. 

Todavia, a Graça Salvadora do Senhor ainda ressoa na terra. A despeito de todas as mortes, de toda a tragédia envolvida, ouvimos o ressoar da misericórdia de Deus sobre a terra. É a trombeta do Senhor anunciando o raiar de um novo dia.

As trombetas eram usadas para dar avisos importantes ao povo de Israel; podiam ser tocadas por sacerdotes, vigias ou outras pessoas que tivessem esse encargo. Serviam para: convocar para guerra, avisar de perigo iminente, chamar o povo a participar de festas religiosas, avisar sobre a coroação de um novo rei, alertar que Deus ia falar alguma coisa. 

Apocalipse 8 fala das trombetas anunciando acontecimentos marcantes para a História da humanidade. No final dos tempos esses acontecimentos seriam para chamar a atenção do povo de Israel que estaria disperso, para voltarem a Jesrusalém para o adorarem lá; (Isaías 27:3) como também para anunciar à Igreja que o arrebatamento estaria próximo. "Depois nós, os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro com o Senhor nos ares, e assim estaremos para sempre com o Senhor." 1Tessalonicenses 4:17. 
Creio que é para salvação de vidas que tudo isso está acontecendo. Deus não salva por medo. Deus é amor! O chamado é para arrependimento, mudança de vida antes que o pior venha! 

A boa notícia do evangelho tem que ser proclamada! É a trombeta da Graça de Deus tocando. "Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu filho unigênito para que todos aquele que nele crê não pereça mas tenha vida eterna." João 3:16. 
Quem crê tem vida que não acaba com o corona vírus; a vida no Espírito é indestrutível!  A trombeta está soando, dando tempo para que as pessoas voltem-se para Deus.

"Nem só de pão viverá o homem, mas toda palavra que sai da boca de Deus." Mt. 4:4 A crise econômica que o vírus trouxe, também revela o caráter dos filhos de Deus. O adorador crê que Deus é capaz de alimentar pardais e sustentar lírios no campo, quanto mais seus filhos; o adorador crê que será suprido, mesmo na aridez do deserto, não faltará o maná do céu.
Doentes precisam de remédio, não de empregos, infelizmente as nossas escolhas moldarão nosso futuro. Que Deus tenha misericórida do nosso país! 
Os imediatistas desejarão as panelas de carne do Egito, como aconteceu ali no deserto. Escravos não sabiam pensar senão pela necessidade do estômago. Outros tiram proveito da situação, são os oportunistas de plantão. É momento de  refletirmos sobre a 'qualidade' da nossa fé e  sobre o que edificamos nossa casa. O céu é para quem sabe descansar em Deus. Para quem consegue parar... Existe um lugar de descanso, um sábado eterno em Jesus. Ele é nosso descanso. Só pregamos a palavra ou a vivemos no dia-a-dia? Cada um responda dentro de si. 

É convocação solene. Disse mais o Senhor a Moisés: Fala aos filhos de Israel, dizendo: No mês sétimo, ao primeiro do mês, tereis descanso solene, memorial com sonidos de trombetas, santa convocação.  Levítico 23:24. 

Ainda sobre o ano de jubileu; podemos entender que estamos celebrando o jubileu de 70 anos de Israel como nação. Israel completou 70 anos em maio de 2018.  "Neste ano de Jubileu tornareis cada um à sua possessão." Levitico 25:13. 
"Também a terra não se venderá em perpetuidade, porque a terra é minha; pois vós sois estrangeiros e peregrinos." Levítico 25:23.

Entendemos que haverá um dia eterno, um jubileu eterno, em que estaremos juntos com o Senhor. Não haverá fim de dias ... Não será um confinamento obrigatório, para descansarmos e sermos livres do mal . Será gozo eterno! A identidade de filhos resgatada. "Nela nunca jamais penetrará cousa alguma contaminada.." Apocalipse 21:27. É a esperança de quem crê!

A  cultura universal  nos ajuda a compreender  uma sociedade que um dia findará, a Palavra de Deus, no entanto, é o roteiro que o Deus Pai nos escreveu, a fim de que possamos herdar a vida eterna. É uma história emocionante, às vezes de difícil interpretação para muitos. Ela diz que somos carta escrita de Deus. 
"E o verbo se fez carne e habitou entre nós" João 1:14. Palavra que virou gente como eu e você. Eternidade que se vestiu de humanidade... Incompreensível, mas perfeitamente possível através da fé!  É esta palavra viva que pulsa em nosso coração. Ela dá vida em meio à pandemia da Covid 19. Com ela, você pode reescrever sua própria história.Cristo no coração nos dá o descanso em meio à batalha. 

Seremos repatriados por nosso Rei , esta é a maior esperança do Cristão. O Sangue d´Ele em nossas veias  é  vacina para a alma e para o  Espírito contra o vírus da morte.! 

 
Obed Rodrigues de Souza 
14/04/2020
Obed Rodrigues de Souza
Enviado por Obed Rodrigues de Souza em 14/04/2020
Alterado em 19/05/2020


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras